Análise comparativa entre estratégia de saúde da família e unidade básica de saúde na referência ao nível assistencial secundário em cardiologia

  • Thaís Castro Dalla Libera Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos - FACISB
  • Ricardo Filipe Alves da Costa Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos - FACISB
  • Guilherme Carvalho Freire Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos - FACISB
  • Joao Luiz Brisotti FACISB
Palavras-chave: saúde pública; SUS; atenção primária; matriciamento; cardiologia

Resumo

As últimas décadas estão trazendo mudanças significativas na saúde pública do Brasil, e o SUS, cada vez mais visando à atenção primaria, com cuidado continuado, de boa qualidade, minimizando a sobrecarga de serviços secundários e terciários. Adaptações para esses novos princípios são fundamentais para a efetividade e completo funcionamento do sistema. Com base nisso, foi criado o programa de Matriciamento do AME de Barretos, com o objetivo de realizar uma construção de novas diretrizes clínicas e sanitária entre os componentes de uma equipe de atenção primaria e secundaria. As Estratégias de Saúde da Família (ESF), cujos objetivos são prestar uma assistência integral tanto na unidade física quanto em domicilio na atenção primária, são o foco desse programa, com ação de profissionais médicos e equipe multidisciplinar qualificados para este tipo de atuação, que buscam desenvolver ações mais efetivas. Esse trabalho avaliará a efetividade do Programa de Matriciamento de modo comparativo nas ações das Estratégias de Saúde da Família e a relação à assistência observada nas Unidades Básicas de Saúde que não contam com ações específicas de ESF. Utilizando-se para esta análise a avaliação da necessidade de atendimento em nível secundário na especialidade de Cardiologia, que representa maior número de encaminhamentos ao AME Barretos. Portanto este estudo tem como objetivo analisar comparativamente os perfis assistenciais de equipes de atenção básica e de ESF (tendo como base de informações municípios de dimensões e estruturas distintas – cidades A e B) sob os aspectos das características dos encaminhamentos para nível assistencial secundário em cardiologia.

Biografia do Autor

Thaís Castro Dalla Libera, Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos - FACISB

Acadêmica do Curso de Medicina da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos (FACISB)

Ricardo Filipe Alves da Costa, Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos - FACISB

Docente do Curso de Medicina da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos (FACISB)

Possui graduação em Matemática pela Universidade Portucalense Infante D. Henrique (Portugal) e Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação da Fundação Pio XII – Hospital de Câncer de Barretos, SP

Guilherme Carvalho Freire, Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos - FACISB

Docente do Curso de Medicina da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos (FACISB)

Possui graduação em Medicina pela Universidade do Triângulo Mineiro e Mestrando da Pós-graduação em Mestrado Profissional pelo Programa de Pós-Graduação da Fundação Pio XII – Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos (FACISB).

Referências

1. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde da família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial, Brasilia: Ministério da Saúde, 1997, p.15-16
2. ROSA, Walisete de Almeida Godinho; LABATE, Renata Curi. Programa saúde da família: a construção de um novo modelo de assistência. Disponível em: .

3. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. GABINETE DO MINISTRO. Norma operacional da Assistência à Saúde: Portaria GM / MS 373 (27 de fevereiro de 2002). Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
4. FRANCO, T. B.; MAGALHÃES JÚNIOR, H. M. Integralidade na assistência à saúde: a organização das linhas do cuidado. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano, v. 2, p. 125-34, 2003.
5. ESCOREL, Sarah et al. O Programa de Saúde da Família e a construção de um novo modelo para a atenção básica no Brasil. Disponível em: .
6. CAMPOS, G. W. D. S.; DOMITTI, A. C. Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública, v. 23, p. 399-407, 2007.
7. BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. PNAB. Política Nacional de Atenção Básica, Brasilia: Ministério da Saúde, 2002, p.19-26
8. GÖTTEMS, L. B. D.; PIRES, M. R. G. M. Para além da atenção básica: reorganização do SUS por meio da interseção do setor político com o econômico. Saúde e Sociedade, v. 18, p. 189-198, 2009.

9. PEREIRA, Janaina Caldeira; BARRETO, Sandhi Maria; PASSOS, Valéria Maria de Azeredo. Perfil de risco cardiovascular e autoavaliação da saúde no Brasil: estudo de base populacional. Disponível em: .

10. Freire, G. C.; Santos Neto, M. F.; Sankarankutty, A. K.; Oliveira, M. C. M.; Simeão, M. O.; Maia, N. F.; Souza, N. M. D.; Longatto-Filho, A.; Brisotti, J. L.; Mauad, E. C. Barretos’ county matrix support in public health - deployment and initial results. Health Prim Car, V3: 1-6. 2019.
Publicado
2020-12-30
Seção
Ciências Humanas e Saúde