Long-term catheter in pediatric oncology: how to decrease complications

  • Rodrigo Chaves
  • Alexandre Alberto Barros Duarte
  • Simone de Campos Vieira Abib
Palavras-chave: Catéteres de permanência, cateterismo venoso central, protocolos de quimioterapia combinada antineoplásica

Resumo

Introdução: Pacientes oncológicos pediátricos requerem acesso venoso central durante todo o tratamento. Desta forma, o cateter totalmente implantável(CTI) são utilizados de rotina.  Em um estudo prospectivo randomizado prévio, foi observada uma taxa de complicação maior no cateter implantado na veia subclávia quando comparado a jugular. Baseado nestes resultados, foi proposta uma mudança na rotina de im-plantação de cateter:  a veia preferencial foi a jugular e a marca do cateter foi modi-ficada. Objetivo:  Avaliar o impacto da mudança de rotina na sobrevida do cateter. Materiais e Métodos:  É um estudo retrospectivo de dois períodos. No período 1, os pacientes foram randomizados para implantação do cateter na veia  subclávia ou jugular, de janeiro de 2004 a abril de 2006. O período de observação foi de 50 meses até março de 2008. No período 2, a veia jugular foi a via preferida e a marca do cateter foi modificada.  O período de observação foi de 50 meses até março de 2011. Resultados: A taxa de complicação foi maior no período 1. A taxa foi de 37,7%  no periodo 1 e 17,3% no periodo 2, p=0.013. A análise da sobrevida do catéter demonstrou maior sobrevida no período 2 (p=0.001), em pacientes maiores que 5 anos(p=0.036), em pacientes pesando mais do que 20 Kg ( p=0,046), implante na veia  jugular (p=0.019)  e marca de cateter (p=0.002). Conclusão: A veia de implante e a marca do cateter podem influenciar a taxa de complicações e a sobrevida dos cateteres totalmente implantáveis.

Publicado
2019-12-20
Seção
Ciências da Saúde